segunda-feira, 29 de março de 2010

Goianésia cobra estrutura para atender cidade vizinha e atrair Brasília

A caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG) passou por Goianésia na noite de sábado e levou de lá uma lista de sugestões para resolver duas questões essenciais para o desenvolvimento do município: como lidar com os milhares de trabalhadores contratados por uma mineradora em Barro Alto, mas que acabam usufruindo a infraestrutura de Goianésia; e como melhorar a malha viária da região para integrar a cidade ao complexo rodo-ferroviário que está surgindo em Goiás e aproximá-la também de Brasília (DF).

São dois focos de trabalho que, segundo o prefeito Gilberto Naves (PMDB) e o ex-prefeito Otávio Lage Filho (PSDB), se o Estado conseguir resolver vai proporcionar aos moradores de Goianésia um salto de qualidade de vida ainda não visto. “Vieram três mil pessoas trabalhar em Barro Alto, mas a cidade não tem estrutura para abrigar tanta gente e esse pessoal acaba usando os recursos de Goianésia”, explica Gilberto.

O prefeito contou sobre uma vez em que um ônibus foi de Barro Alto com 40 trabalhadores a um posto de saúde à Goianésia para que o médico de lá atendesse o grupo e desse atestado médico. “Nosso sistema de saúde não consegue dar conta do recado. É uma demanda gigante.”

O comerciante Roseval Canedo, ligado ao PMDB, disse que o déficit habitacional em Goianésia deu um pulo depois da instalação da mineradora em Barro Alto. “Hoje o déficit está em 6,5 mil, mas com certeza chega a 10 mil casas. E quem vive de aluguel sofre porque houve um aumento enorme, casas simples custam R$ 300, R$ 400 por mês. Para quem tem uma vida carente, é um valor absurdo e impossível de pagar.”

Otávio Lage Filho disse que uma das prioridades do Estado deveria ser com a conclusão e pavimentação de algumas GOs que cruzam Goianésia. Ele cita, como exemplo, a GO-230, que ligaria a cidade à Rianápolis. Ele e Gilberto Naves dizem que esta rodovia é importante para a integração de Goianésia com toda a região.

“O governo federal já demonstrou interesse na BR-251, que faria essa ligação com a GO-230 e Rianápolis. O projeto está pronto há anos, mas parado”, disse Otávio. “É um eixo importante a ser integrado. Em Santa Isabel vai ter um entrocamento da ferrovia Norte-Sul e é importante que estejamos próximos”, completou Gilberto.

Sobre a ligação com Brasília, o prefeito disse que a conclusão da BR-414, com seu asfaltamento, colocará Goianésia a 210 km da capital federal. “Precisamos descobrir Brasília, trazer os turistas do Distrito Federal para cá. É estratégico. Mas para isso, antes, precisamos arrumas nossas estradas”, comentou.

O prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, um dos coordenadores do Movimento Cresce Goiás (MCG), comentou que é importante que os municípios estejam interagindo com o Estado, mas que cabe aos governos estaduais e federal ofertar os recursos para as prefeituras poderem resolver suas demandas maiores.

População pede descentralização no atendimento na saúde pública

A caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG) passou neste fim de semana em três cidades do norte goiano - Campinorte, Formoso e Minaçu. E nas três ouviu o mesmo pedido: a descentralização do atendimento especializado na área da saúde. Para isso, eles consideram fundamental que o governo – seja este ou o próximo – entregue o Hospital Regional de Uruaçu, que traria alívio para a população de toda a região norte.

“Às vezes, o paciente só tem atendimento em Goiânia e a distância é tanta que o paciente chega a morrer no caminho”, observa o presidente do PR de Santa Tereza, Manoel Revalino Gonçalves. “A construção de um hospital é um processo burocrático, que demora anos para se tornar uma realidade. Mas para nós do norte goiano é uma das principais demandas”, disse o prefeito de Campinorte, Wander Antunes Borges (PP).

O vice-governador Ademir Menezes, um dos coordenadores do MCG, concorda com a reivindicação da população do norte goiano e disse que a licitação para o Hospital Regional de Uruaçu deve sair até meados de abril. Mas que, independente da obra, a descentralização da saúde pública é um dos pontos mais importantes do plano de governo a ser apresentado pelo PR, sendo algo que surgiu durante os debates do MCG pelo interior. “A descentralização é uma reivindicação em quase todas as cidades que estamos visitando com o Movimento para colher sugestões da população.”

Moradores de Formoso acreditam em parceria com Estado

Uma cidade pode ter infraestrutura e ser bem provida de recursos naturais, mas se não tiver o apoio do Estado não vai para frente. Esse foi o consenso geral dos participantes da audiência pública do Movimento Cresce Goiás (MCG), em Formoso. “A cidade é bem servida de água e energia, temos dois rios que nos abastecem, energia que vem das usinas e mineradoras, estamos perto da BR-153 e logo teremos a ferrovia Norte-Sul aqui do lado também, mas de nada adianta isso se o Estado não nos ajudar a trazer as empresas para cá”, disse o agricultor Uberlânio Belém de Almeida.

Mais de 100 pessoas se apertaram no pequeno auditório da Câmara Municipal e enfrentaram o calor – mesmo sendo à noite a audiência -, para debater soluções para o problema apontado por Uberlânio. “Nós viemos aqui para escutar a solução de vocês. A população está acostumada a ver os planos de governo sendo montados por técnicos dentro de gabinetes, sem que os eleitores colaborem. E o PR quer fazer diferente, quer montar o plano de governo a partir do que vocês sugerirem, porque é a população que sabe o que o Estado precisa para se desenvolver”, disse o vice-governador Ademir Menezes, um dos coordenadores do MCG.

O ex-prefeito de Santa Tereza de Goiás, Paulo Vieira da Costa (PTB), sugeriu que o Estado reduzisse os impostos por determinado período para empresas se instalarem em determinadas regiões, incentivando assim o desenvolvimento industrial de áreas atualmente mais pobres. Ademir ressaltou que, para isso, é preciso que cada município conheça bem seu potencial. “O empresário de uma grande indústria vai querer saber o que a cidade tem para oferecer antes de se instalar ali.”

O lavrador José Gomes da Silva comentou que os incentivos não devem ser dados apenas às empresas que vierem a se instalar na cidade, mas também aos pequenos agricultores e empresários que já vivem na região. “O pequeno agricultor precisa de assistência técnica e ajuda de recursos. A competição é grande e sozinho ele não dá conta”, disse.

O professor Antônio Carlos Pereira sugeriu então que o Estado ajudasse na criação de uma cooperativa para agregar valor ao que é produzido na região e de um frigorífico ou matadouro para que a carne vendida pelos pecuaristas de Formoso e cidades próximas pudesse ter um valor mais elevado. Uberlânio lembrou que atualmente a arroba do boi e da vaca está muito baixa e nem sempre é compensatório para o produtor trabalhar com isso.

O vice-governador – que morou em Formoso na infância – disse que conhece muito bem a realidade da população, sabe do potencial agropecuário da região e afirmou que as propostas sugeridas durante outras audiências do MCG, somadas as feitas na cidade, estão apontando para soluções simples e ágeis para o desenvolvimento do interior. Ele citou como exemplo a questão do incentivo diferenciado para atrair empresas.

Campinorte quer empresas, faculdades e um hospital regional

As autoridades de diversos partidos presentes na audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG) em Campinorte, na tarde de sexta-feira, dia 26, ouviram da população presente diversas sugestões para melhorar a cidade e a região. Três assuntos dominaram as discussões: a recuperação das rodovias estaduais, principalmente a GO-357; a construção do Hospital Regional de Uruaçu; e a atração de empresas de grande porte para a região.

O prefeito de Campinorte, Wander Antunes Borges (PP), presente ao encontro, disse que com a construção das ferrovias Norte-Sul e Leste-Oeste, cujo entroncamento será na cidade, surge uma grande oportunidade para o poder público desenvolver o norte goiano. As ferrovias são uma das bandeiras de luta do deputado federal Sandro Mabel junto ao Governo Federal. “Precisamos saber aproveitar essa chance que vamos ter, graças ao empenho do PR e do deputado federal Sandro Mabel, para trazer emprego e melhoria na qualidade de vida para as pessoas”, disse.

Entretanto, sem qualificação profissional, as empresas que chegarem à região vão procurar mão-de-obra em outras cidades, como ressaltou o próprio prefeito e outros participantes. “Nós precisamos qualificar a nossa mão-de-obra. Aqui, infelizmente, não tem uma faculdade. Aí as empresas acabam trazendo gente de fora para os cargos com salário melhor”, comentou o professor Adivaldo Gomes Guerra.

O pastor e vigilante João Gonçalves Alves lembrou que uma das principais carências na cidade é emprego. Ele citou a instalação de uma mineradora em Alto Horizonte, disse que ajudou bastante a região, mas ainda precisa de mais empresas. “Moro aqui há 15 anos e sei que o que mais precisamos é de emprego. O pai de família sofre tanto quando está sem emprego que corre o risco de ir para outros rumos perigosos”, comentou.

Além da instalação de uma universidade em Campinorte, para atender aquela região, os moradores sugeriram também a criação de uma cooperativa ou benefícios a empresas que queiram se instalar no local para trabalharem em cima do que é produzido na região. “Precisamos fazer com que os nossos produtos tenham valor agregado antes de serem vendidos para fora. Isso vai trazer mais dinheiro para o produtor e para os trabalhadores. Hoje o que vendemos aqui é apenas commodites”, disse a empresária Sandra Pereira Gomes.

Foi pedida também a recuperação das rodovias estaduais e que o governo estadual, seja o atual ou o próximo, conclua as obras deixadas inacabadas pelos governadores anteriores. “O próximo governador tem de fazer o que este está fazendo, concluindo as obras inacabadas, porque se deixar assim, a gente acaba perdendo emprego”, disse o professor Oséias Vicente dos Anjos.

Sobre a GO-357, o prefeito de Nova Iguaçu, Adelino Serra Alves (PR), disse que espera que o próximo governador consiga pavimentar toda rodovia. “Estou aqui desde 1986 e sempre ouvi promessas de que a rodovia seria asfaltada, mas isso nunca aconteceu. O governador atual teve de arrumar a casa, mas espero que o próximo possa finalmente dá uma solução para essa GO”, disse.

O vice-governador Ademir Menezes disse que o Hospital Regional é uma prioridade do atual governo e que a obra atrasou por causa da burocracia. “Mas o dinheiro já está separado e em breve teremos uma boa notícia”, disse. Ele também concordou com a urgência de pavimentação na GO-357 e elogiou as sugestões da população para mais empregos e desenvolvimento regional. “A população está mais ativa, mais atuante, o administrador público que recebe a chancela do povo é obrigado a fazer um trabalho com seriedade e velocidade. Vocês exigem isso.”

Ademir também aproveitou a audiência para fazer um balanço do MCG até agora. Já foram 42 cidades visitadas e mais de 10 mil participantes. Em algumas cidades, as audiências contavam com até 400 pessoas. “Estamos levando na nossa bagagem contribuições importantes não só para as cidades que visitamos, mas para todo o Estado. E as sugestões são dadas por todos, médicos, empresários, donas de casa, professores, todos.”

quinta-feira, 25 de março de 2010

Hidrolândia quer voltar a crescer com viaduto na BR-153

A audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG) em Hidrolândia, na noite de segunda-feira, agitou a população em dois temas: infraestrutura e melhorias na saúde pública. Mais especificamente, a tão sonhada construção de um viaduto na entrada da cidade pela BR-153 e investimentos em um atendimento de qualidade e especializado, para evitar a necessidade de ir à Goiânia em busca de socorro médico.

Moradores cobraram das autoridades presentes o início das obras do trevo de Hidrolândia da BR-153, com a construção de um viaduto. Reclamaram que não agüentam mais tantos acidentes e que a rodovia, do jeito que está, sem nem ser duplicada, atrapalha no desenvolvimento da cidade.

O superintendente regional do DNIT de Goiás e Tocantins, Alfredo Soubihe Neto, presente à audiência, informou que o projeto do viaduto fica pronto para licitação ainda neste semestre e que os recursos já foram reservados, a pedido do deputado federal Sandro Mabel. “Estamos planejando para as obras começarem em 2011. Vamos fazer de tudo para que aconteça ainda este ano, mas isso eu não posso garantir”, disse.

Sandro Mabel, que coordenada a caravana do MCG ao lado do vice-governador Ademir Menezes, e do prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, lembrou que esteve presente na primeira audiência sobre o trevo, em 2002, e que acha um absurdo o projeto ter se arrastado por tanto tempo. “Há um ano eu coloquei o Alfredo no DNIT e disse a ele que o trevo de Hidrolândia é uma prioridade. Em um ano, ele está conseguindo concluir o projeto”, comentou.

Para o prefeito de Hidrolândia, José Lima Cruvinel (PP), o viaduto vai permitir que a cidade cresça em direção ao outro lado da rodovia. “Crescemos e nos aproximamos da BR, mas depois paramos por causa das condições horríveis da pista.”

Os participantes da audiência também sugeriram um projeto para que os comerciantes que margeiam a rodovia possam permanecer lá depois de instalado o viaduto. Mabel elogiou a sugestão e disse que ela não só vai ser abraçada pelas autoridades presentes como encaminhada para que o DNIT e a Prefeitura trabalhem nela junto à comunidade.

Na área da saúde, a população cobrou a contratação de médicos especialistas, melhorias nos postos de saúde e a descentralização do atendimento. “Existem projetos que podem ser adotados que não custam caro. Precisamos parar de precisar ir para Goiânia para ter um atendimento especializado. Principalmente para pacientes infantis e da terceira idade”, comentou a consultora financeira Kenia Pontes.

A aposentada Maria Aparecida Pereira Machado, 54 anos, cobrou a ida de empresas para Hidrolândia. Reclamou que nunca conseguiu emprego de carteira assinada na cidade. “Precisa muito de uma empresa em Hidrolândia, que empregue com carteira assinada. Nunca trabalhei fichada aqui. Meus filhos estão desempregados e meu marido também não tem carteira assinada. Precisa de um trabalho dos políticos para trazer as indústrias e contratar as pessoas, principalmente a juventude.”

Já Vanderlan Cardoso deu uma dica às autoridades presentes, com base em sua administração: conversem bastante com os colegas mais experientes. “Quando assumi a Prefeitura, em 2005, eu estava perdido. Eram tantos problemas que eu encontrei, que tive a idéia de ir buscar nos meus colegas prefeitos as soluções. Muitos deles estavam com projetos de sucesso que poderiam ser implantados em Senador Canedo. Fui buscar na experiência de outros colegas o que poderíamos fazer. Em Aparecida de Goiânia, por exemplo, surgiram os projetos de industrialização que implantamos com sucesso em Senador Canedo. Nessa hora, o político tem de saber correr atrás”, disse.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Agenda dos debates

O Movimento Cresce Goiás pega a estrada novamente nesta segunda-feira, dia 22 de março. Confira, abaixo, a agenda dos próximos debates:

Dia 22/03/2010: Hidrolândia (19h)
Dia 26/03/2010: Campinorte (15h) e Formoso (19h)
Dia 27/03/2010: Minaçu (09h) e Goianésia (18h)

Participe da construção de uma nova política para Goiás. É com a participação de todos que vamos fazer o nosso Goiás melhor! Acesse a nossa comunidade no Orkut e mande suas idéias - http://bit.ly/9cHs1V.

terça-feira, 16 de março de 2010

Conclusão de estradas é prioridade em Mairipotaba

Em Mairipotaba, a questão da infraestrutura dominou os debates da audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG), realizado na noite de segunda-feira, dia 15. A prioridade número 1 levantada pelos participantes foi a conclusão da GO-217 até a BR-060 e a recuperação da pista já existente. Outra questão discutida foi a recuperação urgente da Celg para que a estatal possa voltar a expandir a distribuição de energia no Estado.

O prefeito da cidade, Ademir Antonio de Sousa (PSDB), disse que a conclusão da rodovia vai ajudar Mairipotaba a deixar de ser um “cotovelo” para a malha viária da região e torná-la uma cidade de passagem do escoamento da produção regional. “Aqui e em cidades vizinhas tem uma produção forte na área de cimento, que vai para o Triângulo Mineiro. A rodovia vai ajudar Mairipotaba a se desenvolver, não só por estar no corredor, como atraindo indústrias para cá”, disse.

Já sobre energia, o vice-governador Ademir Menezes, um dos coordenadores do MCG ao lado do deputado federal e presidente do PR em Goiás, Sandro Mabel, disse que o atual governo pegou uma Celg em crise e tem conseguido, nestes quatro anos, solucioná-la, dependendo agora da conclusão de um acordo com o governo federal para que a companhia possa voltar a investir.

“O próximo governador com certeza vai encontrar uma Celg arrumada. Esse acordo está bem próximo de ser concluído. E aí a Celg vai poder novamente expandir sua rede”, disse.

Ademir contou que tem ouvido muitas queixas neste tema entre os participantes do MCG. “Em Corumbaíba, em Morrinhos, em outras cidades, ouvimos empresários que querem ampliar suas indústrias, suas áreas irrigadas e não tem energia. O Estado não pode estagnar por causa da falta de energia”, disse.

Na área social, o medo da população com o avanço das drogas na juventude dominou as discussões sobre educação e saúde. Os participantes comentaram que o narcotráfico é um mal que atinge todas as cidades, mesmo as pequenas e que o governo deve priorizar formas de afastar o jovem das drogas. E deram como exemplo a criação de atividades nas escolas em tempo integral.

“Toda atividade do governo deve ser voltada em ocupar o tempo do jovem, incluindo programas esportivos, culturais e até profissionais na grade de ensino, incentivando o jovem a ficar na escola. Não pode deixar o aluno ocioso e hoje ainda vemos escolas onde isso acontece. Poderia ter leis que tornassem esses programas obrigatórios”, disse o advogado e empresário Edson Barbosa, um dos participantes da audiência.

O evento em Mairipotaba contou com a participação de presidentes locais de diversos partidos, dentre eles o PMDB, PT e DEM, além de representantes de outros, como o próprio prefeito, que é do PSDB. “Essas reuniões que o PR tem promovido são muito importantes, porque retira de diferentes regiões, do seio das comunidades, a necessidade da população”, disse o prefeito.

Cromínia sofre com rixas políticas

O próximo governador de Goiás, independente de qual partido seja, terá de seguir o exemplo do Movimento Cresce Goiás (MCG): dar as mãos a todas as forças políticas, independente de disputas locais ou regionais. É o que foi sugerido em Cromínia, onde a população sofre com diversas carências e com a dificuldade em tornar real suas soluções.

“Precisamos dar as mãos, todos, para que os problemas sejam realmente solucionados. Falta muita coisa aqui, mas nós sabemos quais as soluções. O difícil é viabilizar estas soluções. A própria burocratização dentro do Estado e do governo federal coloca muitas dificuldades para que prefeituras pequenas consigam recursos”, disse o prefeito da cidade, Antonio Vieira Rossi (PPS).

O prefeito comentou que na hora de levar a solução para os municípios, os políticos não podem pensar em partidos e rixas partidárias ou pessoais. “É que nem o PR está fazendo nesse Movimento, trazendo todo mundo, não importa qual o partido, para discutir idéias, fazer as soluções acontecerem.” Os participantes do evento também levantaram uma questão que, na palavra do próprio vice-governador Ademir Menezes, não pode esperar o próximo governador para ser resolvido: a malha viária. “É preciso recuperar urgentemente estas GO’s que passam por Cromínia”, afirmou Ademir.

Como explicou o prefeito, a malha viária com problemas afeta não só a vida das famílias de Cromínia, que são colocadas em risco de acidentes ao transitar por elas, como também a economia da região, já que encarece o custo da produção e afasta os empresários interessados em investir na cidade. “A estrada que leva até Pontalina é uma estrada que tem matado gente e tornado mais caro o que é produzido aqui”, disse Rossi.

O deputado federal Sandro Mabel, coordenador do MCG e presidente do PR em Goiás, já havia antecipado que as rodovias estaduais vão ser uma das prioridades do plano de governo que o PR está elaborando com base nas sugestões dadas nas audiências do movimento. Dentre outros motivos, porque é um tema citado em todas as cidades visitadas.

De acordo com Mabel, o próximo governador terá, não só que recuperar as atuais rodovias, como pavimentar as que não foram asfaltadas e criar novas estradas. “É preciso investir muito em infraestrutura para o Estado não estagnar”, comenta o deputado nas reuniões do MCG.

Emprego e infraestrutura são prioridades em Itapuranga


A audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG) em Itapuranga serviu para que a população presente desse sugestões que são comuns em muitos municípios do mesmo porte já visitadas pelo MCG no interior goiano: carência de emprego e de infra-estrutura. A cidade natal do vice-governador e um dos coordenadores da iniciativa, Ademir Menezes, pediu mais empenho não só do próximo governo estadual como também dos goianos que forem eleitos para representar o Estado no Congresso Nacional.

Como exemplo do que querem, os populares presentes citaram o que foi levado até a cidade por meio de emendas ao orçamento da União pelos deputados federais Sandro Mabel e Chico Abreu. O recurso obtido pelos dois junto ao governo federal foi usado no asfaltamento e urbanização de bairros da cidade e ajudou a tornar a cidade mais atraente para indústrias de fora.

O ex-prefeito Tito Cardoso (PR), que administrou a cidade entre 2005 e 2008, falou que é necessário o Estado investir mais em infraestrutura, principalmente na malha viária, para facilitar no escoamento do que é produzido na região. “Também precisa ver com a UEG uma forma de investir no ensino aqui, trazendo cursos, para melhorar a capacitação das pessoas.”

A preocupação com os pequenos empreendimentos também foi um dos assuntos debatidos durante a audiência. O pecuarista Carlos Magno Teixeira, falou sobre uma feira organizada por cerca de 200 pessoas de forma precária por falta de incentivo do poder público. “Se a gente conseguisse recursos para criar uma feira fechada, num galpão, poderíamos ampliar essa feira, gerando mais empregos e aumentando as opções de lazer da população. Hoje a feira já é uma atração, mas trabalhamos em um local sem condições”, disse.

Na área da saúde, foi cobrado apoio do Estado para regionalização do atendimento, com a construção de mais hospitais regionais, com médicos especialistas.

E, algo que tem acontecido em outras audiências, moradores de cidades próximas têm viajado quilômetros de distância para participar do MCG dando sugestões também para seus municípios. Uma moradora de Guaraíta, por exemplo, disse que falta emprego. “A cidade é pequena e não consegue atrair empresas”, disse.

Em Corumbaíba, desenvolvimento da cidade é a maior preocupação

O município de Corumbaíba recebeu, na tarde de sexta-feira, a caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG) com uma preocupação: como desenvolver uma cidade depois que uma grande empresa se instalou no local. Autoridades políticas e público presentes debateram sobre formas de impedir que a cidade não fique estagnada por já contar com um estabelecimento de grande porte do setor de laticínios, e o resultado foram várias idéias que vão constar no plano de governo que o PR está montando com base nas sugestões dadas no MCG.

A reunião do MCG, ocorrida no Centro Pró-Menor, atraiu forças políticas de vários partidos, como o PR, PP, PT, PSDB e PMDB. O deputado estadual Jardel Sebba (PSDB) não só compareceu como elogiou a iniciativa do PR e também deu algumas sugestões para o plano de governo. “É preciso investir na capacitação dos moradores daqui. Senão a indústria aqui instalada vai contratar mão-de-obra especializada em outras cidades”, comentou.

Uma prova de que o MCG não apenas é suprapartidário como também abre espaço para todos, de forma democrática e sem restrições a aliados ou opositores, foi a participação do vereador Mauro Márcio Barros (PMDB), que faz oposição ao prefeito da cidade, Romário Vieira (PR).

Mauro deixou algumas sugestões para o plano de governo, dentre elas o incentivo a atração de empresas de beneficiamento ao leite que é produzido na região. “Assim vamos conseguir gerar mais renda aqui em Corumbaíba e trazer mais empregos.”

Alguns participantes, como o presidente da Câmara Municipal, o vereador Sérgio Braga (PTB), falaram da importância em se asfaltar as ruas da cidade e melhorar a malha viária da região, para potencializar a industrialização local.

Também foi dito da importância de se investir na energia elétrica. Neste caso, o deputado federal e presidente do PR de Goiás, Sandro Mabel, explicou que o atual governador do Estado, Alcides Rodrigues, pegou uma Celg quebrada por problemas anteriores de gestão e passou os quatro anos de sua administração pondo a estatal em ordem. “Com certeza, o próximo governador – não importa de qual grupo político seja – vai pegar uma Celg em ordem, pronta para investir em energia para a população”.

O prefeito de Corumbaíba comentou outro problema que precisa ser encarado pela próxima administração estadual: habitação. Na cidade, a contratação de funcionários pela empresa de laticínios fez com que o déficit habitacional aumentasse para 200 casas.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Em Pires do Rio, Saúde anima população a debater no MCG

Os debates ficaram acalorados durante a audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG) em Pires do Rio, na noite de quinta-feira, quando a questão abordada foi a Saúde Pública. Das discussões que se seguiram, surgiu duas idéias: a necessidade de se municipalizar cada vez mais o atendimento ao público, evitando que pacientes tenham de ser tratados em Goiânia e a criação de uma cooperativa entre os municípios para a construção de um hospital regional e contratação de médicos especialistas.

O deputado federal Sandro Mabel, que coordena a caravana do MCG, lembrou da dificuldade que as prefeituras têm em contratar médicos, não só pelo salário elevado como também pela árdua tarefa que é convencer um profissional da saúde a morar no interior. “Até namorada a gente tenta arrumar para o médico e mesmo assim ele não quer ir para o interior”, brincou.

O odontólogo José Pereira da Silva, 61, deu a sugestão da cooperativa. “Pires do Rio faz parte de uma região com mais quatro municípios. Podiam juntar as prefeituras, construir um hospital regional para atender todo mundo e dividirem as despesas. Se isso acontecesse, poderia ter um hospital de porte.”

O tesoureiro do PTB, Marco Aurélio Santana, falou da importância em se investir na regionalização da Saúde, apostando em hospitais regionais e na descentralização dos serviços. “Hoje se precisa de um atendimento mais especializado ou uma emergência precisa ir para Goiânia, e aí ainda pode correr o risco de sofrer um acidente no caminho. Sem falar no transtorno que é isso.”

Quando alguns participantes começaram a acentuar as críticas e reclamações, Sandro Mabel ressaltou a importância de se debater propostas. “Poderíamos criar aqui um espaço para todos reclamarem, mas qual será o resultado disso. Precisamos olhar para a frente, discutir propostas, projetos que mudem a situação. Por isso que o PR está promovendo o Movimento Cresce Goiás, para que possamos ouvir de vocês sugestões e montarmos juntos um plano de governo para o Estado”, explicou.

Os participantes gostaram muito das idéias que viram na apresentação dos trabalhos de Vanderlan Cardoso frente à administração de Senador Canedo, principalmente na área da Saúde. O prefeito explicou como implantou cada um dos projetos que hoje são referência em todo o país. Sandro Mabel comentou que os programas em Senador Canedo deram certo porque houve na cidade uma boa gestão, que fez um trabalho com planejamento e projetos bem elaborados. "Fica mais fácil para conseguir recursos para estes projetos."

Sandro Mabel recebe comenda por serviços prestados a Cristalina

O deputado federal Sandro Mabel esteve nesta quinta-feira em Cristalina, coordenando mais uma audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG) e o vereador Marquinho Abrão (PPS) aproveitou a oportunidade para entregar a ele a comenda “Vereador Régis Luiz Barrichelo”, dado a pessoas que – nas palavras de Abrão – “prestaram grandes serviços à população cristalinense.

“O deputado sempre esteve empenhado em conseguir recursos do governo federal para o nosso município, ajudou a trazer verbas para asfaltamento, reforma em escola, entre outras obras. Mesmo agora, com o prefeito sendo de oposição, o deputado mostra que pensa no interesse da população e conseguiu R$ 97,5 mil para a construção de uma quadra esportiva”, explicou o vereador.

Cristalina quer infraestrutura para firmar indústrias

O Movimento Cresce Goiás (MCG) passou por Cristalina e ouviu da população muitas reivindicações, tanto de infraestrutura como de políticas públicas na área da saúde e educação. De acordo com os depoimentos dados, a cidade está crescendo, conseguindo conquistar indústrias não só de mineração, mas de outros setores para o local, mas precisa urgente de melhorias na malha rodoviária, para que os empresários não abandonem a cidade.

Na audiência, que aconteceu no auditório da Câmara Municipal, o deputado federal Sandro Mabel se comprometeu a levar adiante o projeto da BR-457, que ligaria Cristalina a Vianópolis. Ele já apresentou a idéia à ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), que reconheceu a importância da estrada. “A Dilma olhou o traçado da BR-457 e falou: “isso é importante”. Eu levei a sugestão e a ministra entendeu a importância, agora vocês precisam fazer levar esse projeto adiante”, comentou Mabel.

Na área da educação, a população disse que é fundamental a ampliação do número de de cursos profissionalizantes para que as indústrias que se instalarem na região tenham aonde contratar mão-de-obra sem precisar procurar em outros municípios.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Anápolis vai ser o pólo do desenvolvimento do centro-norte de Goiás

A audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG), em Anápolis, aconteceu em clima de muita expectativa. Afinal, a vinda da Ferrovia Norte-Sul até a cidade, a criação de plataformas de abastecimentos para a ferrovia, além da iminente duplicação da BR-153 e a pavimentação da BR-080 vão trazer diversas oportunidades de progresso para o município.

O deputado federal e presidente do PR de Goiás, Sandro Mabel, salientou que o município vai crescer muito “porque toda a infraestrutura que está sendo feita em Goiás vai ser abastecida em Anápolis. Não é uma questão de sonho agora, e sim de planejamento. Por isso viemos aqui discutir com vocês o que Anápolis precisa para não perder a chance de ter esse salto de desenvolvimento”, disse.

A população presente atendeu ao apelo do deputado e sugeriu idéias nas principais áreas de interesse da sociedade, como Educação, Emprego, Infraestrutura e Saúde, além de elogiarem as administrações do prefeito Vanderlan Cardoso, em Senador Canedo, e do vice-governador Ademir Menezes, enquanto esteve à frente da Prefeitura de Aparecida de Goiânia (1997-2005).

O prefeito de Anápolis, Antônio Gomide (PT), também elogiou o Partido da República (PR) e disse que os republicanos têm grande influência no processo decisivo do Estado. Gomide afirmou que Sandro Mabel teve um papel muito importante junto ao governo federal para que a Ferrovia Norte-Sul fosse até Anápolis. “O deputado tem conseguido trazer verbas suficientes para o desenvolvimento dos quatro cantos de Goiás”, disse.

Sandro Mabel citou também a luta para que o curso de Medicina da UniEvangélica, cuja sede é em Anápolis, possa ser expandido de 40 para 100 vagas. “Goiás está precisando de médicos, precisamos de mais especialistas, as pessoas exigem isso.” A qualidade da Saúde Pública foi um dos temas que envolveu mais os participantes. O reitor da UniEvangélica, o ex-deputado Carlos Wilson, esteve presente na audiência.

O deputado federal Sandro Mabel e o superintendente do Dnit em Goiás, Alfredo Soubihe Neto, falaram também durante a audiência sobre a construção de um viaduto na BR-153 para a entrada da cidade, próximo ao Distrito Agro-Industrial (Daia). Segundo eles, essa é uma reivindicação antiga da população. E com a chegada da ferrovia e de outras obras de infraestrutura, é fundamental que as estradas estejam em boas condições de uso.

Em Silvânia, políticas públicas dominam debate

A população de Silvânia que participou da audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG) demonstrou bastante preocupação com o desenvolvimento das políticas públicas em três áreas: educação, juventude e mulher. Coordenada pelo prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, e pelo vice-governador Ademir Menezes, a audiência foi elogiada pelo público, que viu ali uma oportunidade rara de levar às autoridades suas demandas.

A audiência aconteceu no dia 8 de março, coincidentemente no Dia da Mulher. E o tema foi alvo dos debates, quando as autoridades presentes foram cobradas por mais projetos que tragam às mulheres direitos que hoje elas ou não desfrutam ou o fazem parcialmente.

Vanderlan Cardoso comentou que nas administrações do PR as mulheres são valorizadas e tem demonstrado muito competência dentro da esfera pública. “Elas estão cada vez mais presentes dentro das administrações públicas e são reconhecidas pelo belo trabalho que estão fazendo”, disse.

O prefeito citou o caso da secretária de Saúde de sua cidade, Gercilene Ferreira. “Ela assumiu a pasta e ajudou a Prefeitura a fazer um excelente trabalho na Saúde. Os projetos desenvolvidos na secretaria são reconhecidos nacionalmente. Ela sempre esteve muito empenhada”, disse. “E ela briga, luta, discute, às vezes até comigo”, brincou no final.

A prefeita da cidade, Gilda Naves (PSDB), também compareceu ao evento e elogiou a iniciativa do PR ao promover a caravana.

Debates do MCG recomeçam nesta quinta-feira

O Movimento Cresce Goiás retoma a agenda de debates com a população amanhã, quinta-feira (11). Confira, abaixo, as próximas cidades a receberem o evento.

Dia 11/03/2010
9h: Catalão, no Sidicato Meta Base
15h: Cristalina, na Câmara Municipal
19h: Pires do Rio, na Câmara Municipal

Dia 12/03/2010
9h: Morrinhos, no Teatro
15h: Corumbaíba, no Centro Pro Menor

Dia 13/03/2010
9h: Aparecida de Goiânia, Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia (Aciag)
15h: Itaberaí, na Câmara Municipal
19h: Itapuranga, no Salão Social da Maçonaria

segunda-feira, 8 de março de 2010

Público agita debate sobre atração de indústrias em Santa Helena

O clima esquentou em Santa Helena durante a audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG), ocorrido na manhã de sexta-feira, dia 5, no auditório da Câmara Municipal. Esquentou, no bom sentido, já que vários participantes pediram a palavra quando o debate girou em torno da atração de indústrias e empresas para a cidade. Vozes às vezes divergentes. Isso ajudou, nas palavras do deputado federal e presidente do PR em Goiás, Sandro Mabel, com que o debate evoluísse.

Sandro Mabel começou o debate lembrando que a região vai ser beneficiada com duas importantes obras de infraestrutura do Estado: a duplicação da BR-060, de Goiânia para Jataí, e a extensão da Ferrovia Norte-Sul, de Palmas (TO) até Anápolis - com a criação de uma plataforma de carga em Santa Helena.

“Isso vai trazer um salto de desenvolvimento para esta região. A cidade vai ser um pólo. Vai ser a hora de vocês aproveitarem e atraírem as indústrias para cá. Além da duplicação da BR-060, vamos ter uma plataforma aqui. Isso vai fazer com que apareçam muitas oportunidades”, explicou.

Entretanto, duas dúvidas preocupavam o público presente, quando se discutiu formas de conquistar empresários: o medo de perder espaço para Rio Verde e identificar qual o perfil de empreendedores que se sentiriam mais atraídos por Santa Helena. “Não adianta querer trazer uma grande indústria para cá, porque ela não vem, ela vai preferir ir para uma cidade maior aqui perto”, comentou um empresário.

Sandro Mabel citou o caso de Jesúpolis, onde o prefeito Silvan Silveira (PR), tem atraído micro e pequenas empresas. “Então vamos atrair as pequenas empresas para cá. Que tragam 20, 30 empregos. Vamos colocar umas cinco empresas e já temos 150 empregos. A gente tem que jogar com o que a gente tem”, comentou.

A área da Saúde também ocupou espaço no debate. Moradores cobraram a entrega do hospital regional, que está sendo erguido na cidade, e mais profissionalismo por parte de alguns médicos. Sandro Mabel salientou a importância de uma saúde pública de qualidade. Já o prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, sugeriu abrir um canal de comunicação com a população. “Crie uma urna com espaço para as pessoas fazerem críticas. É algo barato e fácil de fazer. Além de uma ouvidoria.”

A audiência em Santa Helena contou com a participação do médico João Alberto Rodrigues, filho do governador Alcides Rodrigues, e da prefeita da cidade, Raquel Rodrigues, que elogiou o Movimento Cresce Goiás. “O PR sai na frente com essa iniciativa louvável. O partido mostra que está amadurecido. É importante fazer ouvir a população para montar um plano de governo”, disse.

Em Cidade Ocidental, participantes pedem ações básicas

A caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG) passou por Cidade Ocidental, no entorno do Distrito Federal, e mais do que cobranças por obras de infraestrutura e formas de atrair indústrias para o município, os mais de 200 participantes reclamaram por demandas mais pontuais, mas nem por isso menos urgentes. De acordo com os presentes, faltam ao município coisas básicas como uma delegacia 24 horas, cartório de registro cível e de imóveis, patrulha escolar etc.

O prefeito da cidade, Alex Batista (PR), foi bastante aplaudido após seu discurso, onde citou todas as obras realizadas em seu primeiro ano de gestão. Muitas delas com recursos obtidos no governo federal após a intervenção do deputado federal Sandro Mabel, como salientou Alex.

Mesmo assim, as pessoas pedem muito mais coisas. Como explicou Sandro Mabel: “Uma boa gestão traz muita coisa boa para a cidade, a população conquista muitas coisas, mas não é por isso que não quer mais melhorar. Pelo contrário.”

O funcionário público Benedito Câmara Barbosa, 50, disse que a cidade não tem nenhum cartório e que a população sofre muito com isso. “A gente tem de registrar o filho no cartório de Luziânia ou então em Valparaíso.”

O presidente da Associação de Amparo aos Deficientes de Cidade Ocidental, Agostinho Monteiro da Silva Neto, pediu mais atenção do poder público aos portadores de necessidades especiais. “Hoje, por exemplo, não tem uma escola aqui adaptada para o deficiente físico. Poderia ter pelo menos uma, no centro, que recebesse todos eles.”

O motorista Etênio Cristiano Lima, 33, cobrou mais opções de transporte público, já que a população costuma viajar diariamente para trabalhar em Brasília e no entorno. “É muito sofrimento e a gente tem de esperar muito.”

A professora Vanessa Barbosa Bernardes, 25, cobrou a criação de um Batalhão Escolar da Polícia Militar. “Está aumentando muito a violência nas áreas em volta das escolas. Seria muito bom se tivéssemos uma patrulha escolar aqui.”

Muitas das demandas dependem apenas de providências do município e, não necessariamente, são sugestões para constar no plano de governo. Uma equipe do MCG anota tudo que é dito para encaminhar ou para o projeto de gestão do PR ou para as devidas providências.

Houve espaço também para declarações de amor ao município em meio às reivindicações. A secretária Maria de Fátima Silva Santos, 45, lamentou ver sua cidade perder os jovens para Brasília (DF). “Eu amo muito essa cidade. Vivi minha vida aqui. E dói o coração ver as pessoas indo embora porque não conseguem emprego aqui.”

O vice-governador Ademir Menezes comentou que o município precisa analisar qual a sua vocação empresarial, em quais setores pode investir para atrair indústrias e empreendedores. “Só assim dá para planejar e trazer para a cidade o desenvolvimento que vimos em Aparecida”, disse.

Novo Gama quer seguir exemplo de Aparecida de Goiânia sob gestão do PR

O auditório da Câmara Municipal do Novo Gama, no entorno do Distrito Federal, ficou pequeno para tantas pessoas que participaram da audiência pública do Movimento Cresce Goiás (MCG). E a discussão girou em torno de como dar à cidade uma independência em relação à Brasília; assim como aconteceu em Aparecida de Goiânia na administração do PR (1997-2008). Tanto que as manifestações públicas se deram mais dentro do espaço em que se discutiu as melhorias feitas pelo hoje vice-governador Ademir Menezes quando prefeito de Aparecida.

O deputado federal e presidente do PR em Goiás, Sandro Mabel, e o vice-governador falaram da necessidade de se atrair empresas para a cidade e melhorar a infraestrutura para que as pessoas parem de ir até Brasília para trabalhar. “Se conseguir emprego na cidade em vez de Brasília, o trabalhador vai ganhar mais tempo para ficar com a família, estudar, fazer outras coisas, porque não vai perder horas e horas num ônibus apertado”, disse Ademir.

O secretário de Indústria, Comércio e Turismo de Novo Gama, José Pacífico Neto (PMN), reclamou que a cidade não tem mais áreas públicas que possam ser cedidas pela Prefeitura para empresas interessadas em se instalar na cidade. “Precisamos de um apoio do Estado para negociar isso.”

Sandro Mabel comentou da necessidade de se recuperar e duplicar as rodovias que cortam a cidade, entre elas a que vai até o Lago Azul. O prefeito de Novo Gama, João Pacífico (PSDB), contou que pretende adotar iniciativas parecidas como a de Ademir, em Aparecida, para gerar mais recursos para a cidade. A ex-prefeita Sônia Chaves (PR) também deu muitas sugestões.

O diretor da ONG Instituto de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente, Adalberto Silva, salientou a importância de se investir também na educação profissionalizante, senão, mesmo com a instalação de novas indústrias, a população vai continuar indo para Brasília. “Porque as indústrias querem gente capacitada e se não estivermos preparados, eles vão contratar gente do Distrito Federal”, explicou.

Outros assuntos também foram debatidos na audiência. A professora Isabel Cristina dos Santos, 34, informou que o PR Mulher foi criado há cerca de um mês em Novo Gama e já conta com duas bandeiras principais e mais de 20 mulheres integrantes. “Temos professoras, faxineiras, médicas, enfim todas as profissões e níveis sociais. E nossas bandeiras hoje são a luta por criação de mais creches e de cursos profissionalizantes para que as pessoas possam gerar renda aqui na cidade.”

O vereador Afrânio Pimental (PR) veio de Valparaíso de Goiás para sugerir ao MCG a criação de uma rodoviária modelo na região, para que os milhares de nordestinos e descendentes que vivem ali pudessem viajar para a terra de suas famílias sem precisar passar em Brasília (DF). “Podia até ter um shopping junto, isso iria dar uma boa movimentada no comércio daqui”, comenta o vereador. Sua sugestão foi bastante aplaudida.

A administração que o prefeito Vanderlan Cardoso vem fazendo em Senador Canedo desde 2005, também chamou a atenção dos participantes. A estudante Nwefrance Morais de Souza, 32, viveu uma década em Senador Canedo, até 2007, quando se mudou para Novo Gama. “Na época que eu morava lá, a cidade não tinha nada, só o lixão. Agora quando eu vou para lá não reconheço a cidade. É outra. Melhorou muito. Dá até vontade de voltar”, comentou.

Ainda segundo Nwefrance, a iniciativa do PR em chamar lideranças de outros partidos para juntos participaram do MCG e ouvirem a população é um avanço dentro do sistema político. “Os políticos estão deixando de fazer seus projetos de dentro dos gabinetes para fazer algo a partir do que a população cobra. Aqui os políticos escutam e não censuram ninguém. Nunca vi isso antes.”

quinta-feira, 4 de março de 2010

Saúde e Educação dominam debates em Sanclerlândia

Em Sanclerlândia, dois temas dominaram o debate promovido pela caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG): saúde e educação. E nas duas oportunidades surgiram duas idéias a partir do debate entre a população e as autoridades políticas presentes: um consórcio entre os municípios para implantação de projetos e programas regionais na área da Saúde e a avaliação do potencial de cada cidade para determinar em que áreas da educação o poder público deve apostar.

O debate sobre saúde começou com a queixa de um morador a respeito da falta de médicos especialistas na cidade. O deputado federal e coordenador do MCG Sandro Mabel pediu então que ele desse alguma sugestão. “Estamos aqui para ouvir vocês e não para falar”, explicou. O morador pediu reforço do poder público na área.

Então começaram os prefeitos vizinhos, também presentes à audiência a falar sobre a situação em seus municípios. Reclamaram da falta de recursos para investir do jeito que gostariam. Foi quando um outro morador, incentivado por Sandro Mabel e pela fala do prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, deu a idéia da união entre os municípios.

A sugestão foi logo abraçada pelas autoridades presentes e incentivada por Vanderlan. Os prefeitos da região presentes saíram da audiência com a expectativa de uma nova reunião entre eles para debater a questão.

Outro assunto discutido no encontro foi educação. A diretora da UEG em Sanclerlândia, Marlene Luíza de Assunção, falou que a instituição precisa aumentar sua estrutura na cidade. Daí surgiu um debate sobre a existência de uma avaliação para saber se a UEG oferece os cursos que atendem a demanda regional. Não existe essa avaliação. Mas todos concordaram da necessidade da mesma.

quarta-feira, 3 de março de 2010

12 partidos políticos reunidos para o MCG em Iporá

A audiência do Movimento Cresce Goiás (MCG) na Câmara Municipal de Iporá, na noite de segunda-feira, foi a prova definitiva de que a iniciativa é totalmente suprapartidária. Nada menos que 12 partidos políticos enviaram representantes para ouvir da população suas carências e sugestões para melhorar a cidade. A presença em massa dos partidos políticos foi correspondida pelo público, que compareceu em massa e lotou o auditório da Câmara de Vereadores.

Iporá é um dos pólos do oeste goiano e seus moradores pediram medidas que fizessem da cidade a responsável por um novo salto de desenvolvimento na região. O primeiro a falar sobre isso foi o diretor administrativo e financeiro do Detran-GO e ex-deputado estadual, Sandoval Moreira Mariano. “O poder público precisa estimular algum empreendedor de grande porte para ser o carro-chefe desse desenvolvimento.”

De acordo com Sandoval, a ida de uma grande empresa para Iporá fará com que outras empresas se instalem na cidade. Ele também sugeriu que o próximo governador criasse um plano de desenvolvimento específico para o oeste goiano. Sua idéia foi abraçada por outros participantes do encontro.

O empresário Angelo Macedo da Silva comentou que este “grande empreendedor” poderia ser da indústria láctea. “Os produtores da região vendem seus produtos por um preço baixo. Com uma indústria láctea aqui, o produto poderia ser beneficiado aqui mesmo e vendido por um preço mais elevado, trazendo mais benefícios para a Prefeitura, que poderia ser revertido em incentivos para trazer novas indústrias. E os produtores ganhariam mais”, disse.

O prefeito de Iporá, José Antônio (PMDB), comentou que a cidade precisaria de uma área para transformar em distrito industrial, para que este grande empreendedor pudesse se instalar. Ele disse que a prefeitura havia separado há algum tempo uma área de 21 alqueires para este fim, mas acabou destinando o espaço para a educação.

O deputado federal e presidente do PR em Goiás, Sandro Mabel, que coordena a caravana pelo interior do Estado, comentou que a recuperação de algumas rodovias é importante para reforçar Iporá como o pólo do oeste goiano. Ele cita, como exemplo, a ligação entre Iporá e Ivolândia.

Também em Iporá o vice-governador Ademir Menezes e o prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, que estão juntos com Sandro Mabel na coordenação do MCG, sugeriram a criação de um consórcio entre os municípios para o meio ambiente. Entre outros objetivos, este consórcio ajudaria as prefeituras a bancar os custos com técnicos responsáveis por liberar obras de interesse econômico sem agredir a natureza.

“O Estado está sobrecarregado, é um volume de trabalho muito grande, enorme. E para uma prefeitura bancar sozinha um técnico fica caro. Mas se houver esse consórcio, fica mais em conta”, comentou Ademir.

Malha rodoviária deve ser uma das prioridades do próximo governador

Em Fazenda Nova, o vice-governador Ademir Menezes voltou a anunciar que o plano de governo que o PR está montando com base nas sugestões coletadas pela população que participa da caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG) deve ser apresentado a partir de julho. Ele também apontou qual deve ser uma das prioridades deste plano: a malha rodoviária. É uma das principais reivindicações de quem participa das audiências do MCG.

Tudo começou com um comentário do vice-governador ao se apresentar na audiência do MCG na cidade, na manhã de terça-feira: “Tá duro chegar aqui em Fazenda Nova, isso causa prejuízo, encarece a produção.” Ele se referia à rodovia GO-418, entrada da cidade para quem vai pela GO-060 (Goiânia-Iporá). “O governador Alcides Rodrigues tem aplicado tudo o que é possível, mas ainda tem algumas que precisam passar por uma reforma urgente.” Todos concordaram e aplaudiram a fala do vice-governador.

Já o deputado federal Sandro Mabel, coordenador do MCG e presidente do PR em Goiás, citou as estradas que ligam Fazenda Nova a seus distritos, e disse que a situação é emergencial. “É algo que vocês precisam para hoje, para agora. Tem de recuperar é agora”, diz Mabel.

De acordo com Mabel e Ademir, o plano de governo a ser apresentado pelo PR está sendo preparado com base nas sugestões feitas pela população que tem participado ativamente da caravana do MCG nas cidades. Já foram 27 cidades visitadas e até o final de março pelo menos outras 16 também vão receber a caravana.

“Vamos apresentar um plano de governo que tenha o nosso jeito, que seja realmente a fotografia dos goianos, o que nós queremos a curto, médio e longo prazo”, disse Ademir.

Para Sandro Mabel, estrada boa é fundamental para o município atrair indústrias e empresas. Alguns moradores cobraram a instalação de um distrito industrial na cidade, em parceria com o Estado, mas para isso acontecer, como explicou o deputado federal, é preciso investir em infra-estrutura.

Alguns moradores comentaram que falta emprego na cidade, mas reconheceram que para isso acontecer é preciso infra-estrutura. Entretanto, acham que o poder público pode reforçar os programas e projetos de incentivos tanto para as pequenas e médias empresas como para os cidadãos.

Uma das propostas feitas pelo público durante a audiência foi o apoio à agricultura familiar. Sandro Mabel disse que esse tema será aprofundado nos próximos meses em debate organizado pela câmara de vereadores com a deputada estadual Cilene Guimarães.

O prefeito da cidade, Daniel do Zeca (PR), lembrou durante a audiência de uma emenda ao orçamento da União, proposta por Sandro Mabel, de R$ 150 para urbanização dos lagos e disse que isso ajuda muito para o desenvolvimento do município. “Era uma demanda antiga da população.”

terça-feira, 2 de março de 2010

Agenda dos próximos debates

Fique por dentro da agenda de encontros do Movimento Cresce Goiás. Até o final de março, mais 35 cidades serão visitadas pela frente de debates. Participe e contribua com idéias e sugestões para fazer o nosso Goiás melhor!

Dia 04/03/2010: Novo Gama (15h) e Cidade Ocidental (19h)
Dia 05/03/2010: Santa Helena (09h)
Dia 08/03/2010: Silvânia (15h) e Anápolis (19h)
Dia 11/03/2010: Catalão (09h), Cristalina (15h) e Pires do Rio (19h)
Dia 12/03/2010: Morrinhos (09h) e Corumbaíba (15h)
Dia 13/03/2010: Aparecida de Goiânia (09h), Itaberaí (15h) e Itapuranga (19h)
Dia 15/03/2010: Crominia (15h) e Mairipotaba (19h)
Dia 22/03/2010: Hidrolândia (19h)
Dia 26/03/2010: Campinorte (15h) e Formoso (19h)
Dia 27/03/2010: Minaçu (09h) e Goianésia (18h)



O MCG também recebe as reivindicações por meio de comunidade no Orkut - http://bit.ly/9cHs1V. Participe do nosso fórum: sua opinião é muito importante para construirmos políticas pautadas nas necessidades de cada região.

segunda-feira, 1 de março de 2010

Itaguaru quer impedir fuga dos jovens para grandes centros

A caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG) esteve na tarde de sábado, dia 27, em Itaguaru, a 115 km de Goiânia, e reuniu mais de 400 pessoas no Salão Paroquial da cidade. O evento, organizado localmente pelo ex-prefeito e presidente do PR da região Eurípedes Potenciano e pelos vereadores Chitãozinho e Zudimar Borges, contou com expressiva participação popular.

Foram várias as reivindicações dos moradores por projetos que promovam o desenvolvimento do município. Temas como habitação e emprego dominaram o debate. Além disso, a população pediu também por obras de infraestrutura, como o asfaltamento da estrada que liga o município à Heitoraí e a recuperação da rodovia que os liga à Itaguari.


As autoridades presentes escutaram também da população diversos relatos de um medo em comum: a fuga dos jovens moradores para os grandes centros urbanos em busca de oportunidades de emprego.

“Nossos jovens vão trabalhar em Goiânia. Só os pais que ficam aqui. Eu tenho quatro filhos e nenhum mora mais aqui. A cidade precisa de emprego para dar pra eles. Senão vão embora”, lamentou o aposentado Valdir Gonçalves de Souza, 59 anos.

Outra que aproveitou a proximidade com as autoridades políticas locais e regionais para pedir apoio na tentativa de frear o êxodo de jovens foi a professora Maria Abadia Ferreira Silva, 51. Ela tem uma filha de 10 anos e teme que quando a filha for maior de idade não encontre boas oportunidades de vida na cidade.

“Eu sou nascida e criada aqui, amo esta cidade e quero minha família feliz nela. Mas para isso a gente precisa de emprego para os jovens. O sonho da minha filha é ser médica. E o meu é que ela seja médica aqui. Mas a cidade tem de oferecer condições de trabalho. Senão a gente vai ficar conhecido como uma cidade de aposentados”, comentou.

Para os dois, Itaguaru é uma cidade que não tem uma boa fonte de empregos -
reclamação endossada pelo vereador Chitãozinho, um dos organizadores do debate na cidade. “Precisa trazer uma indústria para cá, mas para isso sei que precisa também melhorar a infraestrutura, arrumando as estradas para Jaraguá, Itaguari e Uruana, senão fica difícil”, disse a professora.

O vice-governador Ademir Menezes, um dos coordenadores do MCG ao lado do presidente do PR em Goiás, deputado federal Sandro Mabel, e do prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, disse que os municípios precisam articular com o Estado formas de incentivos que atraiam as indústrias de pequeno e médio porte.

“Sem o apoio do Estado, o município não consegue fazer isso. E 80% dos empregos no interior do Estado são gerados pela pequena e média empresa. O Estado tem de investir, seja ajudando na construção de um distrito industrial, de balcões, da forma como for e o município tem de saber qual o seu potencial, em qual área tem de pedir apoio”, explicou.

Na administração de Ademir, a cidade de Aparecida de Goiânia conseguiu atrair diversas empresas, aumentando substancialmente a quantidade de vagas de emprego e, assim, evitando a saída dos aparecidenses para a capital do Estado e tirando de Aparecida a pecha de ‘cidade-dormitório’.

A ida do MCG ao município foi muito elogiada pelos participantes. “O PR está ensinando a população a cobrar dos políticos. Eu estou aprendendo isso agora, vindo aqui e tendo a chance de falar com vocês”, disse Valdir. O presidente do PR local, Eurípedes Potenciano, comentou que o partido tem muita coragem ao abrir espaço para a população se manifestar, sem medo do que vai escutar.

Já a professora Maria Abadia comentou que o PR está se diferenciando dos outros partidos. “Todos os partidos tomam suas decisões de cima para baixo. O PR está fazendo diferente, de baixo pra cima, ouvindo a população para montar um plano de governo. Isso com certeza vai fazer muita diferença.”

Moradores cobram infra-estrutura para evitar decadência da cidade

Em Rubiataba, o auditório da Câmara Municipal ficou pequena para cerca de 100 pessoas que acompanharam a audiência do Movimento Cresce Goiás, na manhã de sábado, dia 27. A preocupação dos moradores presentes girou em torno da possibilidade de decadência da cidade caso não haja investimentos urgentes em infra-estrutura. Principalmente na recuperação e criação de rodovias e na formação de um distrito industrial com incentivos às pequenas empresas.
 
Fazendo coro às declarações do prefeito José Luiz Fernandes (PP), vereadores e representantes da sociedade civil organizada, falaram que a cidade cresceu nos últimos anos, se tornou o pólo daquela região e conta com instituição de ensino superior, hospital público e atividades industriais e empresariais diversas, como o setor sucroalcooleiro e moveleiro.
 
Mas sem estradas em boas condições e sem um distrito industrial, a cidade está perdendo espaço para os vizinhos. “É uma questão de logística. É mais vantajoso para uma empresa se instalar em Nova Glória, que fica mais perto da BR-153, do que aqui, que fica a 30 km. Por isso precisamos de uma boa infra-estrutura, para que Rubiataba deixe de ser uma cidade no meio para ser uma cidade de ponta”, disse o prefeito.
 
Vereadores pediram o asfaltamento da estrada que liga a cidade até Ceres e a criação de uma rodovia que os ligue até Mozarlândia. Além da recuperação das estradas já existentes. “Estrada em má condição não é ruim só para as indústrias, é para todos. É um perigo para os estudantes de outras cidades que vem estudar aqui. Eles acabam preferindo ir para outra cidade”, disse Zita Pires de Andrade, diretora do Cesur, instituto de ensino superior que oferece diversos cursos na cidade.
 
Ela dá outro exemplo que prejudicou Rubiataba ao falar do caso de Morro Agudo, ex-distrito da cidade, que ao se emancipar preferiu se aproximar de Nova América, porque a rodovia é melhor até lá. “Estamos perdendo espaço para outras cidades, mesmo aqui sendo uma cidade boa”, lamenta.
 
O secretário municipal de Governo e Planejamento, Gilson Luiz Vieira, comentou que Rubiataba já foi a capital moveleira do Estado, com 80 empresas no setor. “Hoje temos apenas 30. Por causa da falta de estrutura e de apoio do poder público estadual. Eu mesmo tive de fechar a minha empresa por isso.”
 
Já o secretário municipal de Indústria e Comércio, Jamel Khider, contou que uma empresa que estava em Goiânia procurou a Prefeitura de Rubiataba para se instalar ali, mas acabou preferindo outra cidade por causa dos incentivos maiores. “A gente ofereceu redução nos impostos, mas eles queriam também meio alqueire de área e ajuda na construção do galpão e a gente não tinha como dar isso.”
 
O vice-governador do Estado, Ademir Menezes, um dos coordenadores da caravana do MCG ao lado do presidente do PR em Goiás, o deputado federal Sandro Mabel, e do prefeito de Senador Canedo, Vanderlan Cardoso, ressaltou que Estado e Prefeitura devem atuar juntos para atrair as indústrias. “É fundamental que o município tenha um estudo, um levantamento que aponte qual seu potencial, em que áreas deve investir e o Estado então tem de dar o suporte para que a cidade possa investir nisso. Sozinho, o município não consegue fazer isso.” Para Ademir, é fundamental para o gestor estadual ter essa preocupação, com os ouvidos abertos para a população e de braços dados com as prefeituras.
 
A caravana do MCG foi alvo de diversos elogios durante a audiência. “Nunca vi isso antes, um partido vir até a população e deixar ela falar o que quiser. Mostra o amadurecimento do partido e que o pessoal do PR está disposto a fazer algo com base no que a população anseia e não algo que vem de cima pra baixo”, comentou Jamel Khedir.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Agenda dos próximos debates

O Movimento Cresce Goiás retoma o ciclo de debates nos municípios goianos nesta quinta-feira (25). Confira as cidades que recebem o MCG nos próximos dias:

25/02/2010 – quinta-feira
Itauçu: às 9h, no Salão Paroquial
Sanclerlândia: às 14h, na Câmara Municipal
Anicuns: às 19h, na Câmara Municipal

26/02/2010 – sexta-feira
Uruaçu: às 9h, na Câmara Municipal
Santa Terezinha: às 14h, na Câmara Municipal
Porangatu: às 19h, na Câmara Municipal

27/02/2010 – sábado
Rubiataba: às 9h, na Câmara Municipal
Itaguaru: às 19h, no Salão Paroquial

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Todos os partidos presentes no Movimento Cresce Goiás

O Movimento Cresce Goiás (MCG) vai ganhando força tanto entre a classe política como entre a população das cidades do interior de Goiás que estão sendo visitadas. Em Trindade, havia políticos de praticamente todos os partidos presentes na audiência pública do Movimento, que aconteceu no auditório da Câmara Municipal. Havia representantes do PMDB e do PP, como os prefeitos Ricardo Fortunato (Trindade) e Abelardo Vaz (Inhumas), do PDT, PSDB, PT, PSB, DEM, PTB, entre outros. Todos elogiando a iniciativa do PR em percorrer o Estado em busca de um diálogo mais próximo com o cidadão.

E a população prestigiou essa união suprapartidária comparecendo em peso na audiência. O local ficou lotado com mais de 300 pessoas sentadas e em pé aproveitando a proximidade com as autoridades políticas para cobrar demandas que afligem os moradores da cidade.
 
É o caso da empresária Daria Alves, que cobrou asfalto para a rodovia que liga Trindade a Abadia de Goiás e é muito usada pelos romeiros. “Todo mundo que já foi candidato um dia prometeu asfaltar essa rodovia e nada. Eu já fui deputada estadual (entre 1995 e 1998) e também prometi e não consegui ver asfalto aqui”, comentou.
 
O vice-prefeito de Trindade, Arquivaldo Bites (PT), disse que desde os anos 80 tem ouvido promessa de asfaltamento, nenhuma cumprida.
 
Outra obra de infraestrutura cobrada foi a instalação de um anel viário para evitar que veículos de carga pesada cruzem a cidade, danificando as ruas e complicando o trânsito local.
 
Na área de educação, a reivindicação foi a mesma percebida em outras cidades: criação de escolas profissionalizantes e a instalação de um anexo da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Durante a audiência, o prefeito de Trindade se comprometeu, com a ajuda do deputado federal e coordenador do MCG, Sandro Mabel, a alugar um imóvel para a instalação de uma escola técnica.
 
Uma moradora de Trindade cobrou a criação de um curso de Medicina na UEG, ao relatar o drama de sua filha que sonha em ser médica, mas que enfrenta uma grande concorrência para as poucas vagas existentes no Estado. Sandro Mabel concordou com ela e disse que a criação do curso vai constar no plano de governo que está sendo elaborado com base na manifestação dos cidadãos que participam das audiências.

 
O prefeito de Trindade elogiou a iniciativa do PR e disse que o partido tem se posicionado de forma correta ao esquecer as disputas políticas e unir a classe política em torno do desenvolvimento do Estado. Já Abelardo Vaz, que também é presidente da Associação Goiana de Municípios (AGM), brincou dizendo que sente inveja do PR, já que seu partido não teve essa iniciativa. “Mas a gente participa junto e o presidente do meu partido vai em algumas audiências para ver como é e levar a idéia para o PP”, comentou.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Público recorde em Nazário pede apoio dos políticos para o empresariado local

Em Nazário, a caravana do Movimento Cresce Goiás (MCG) atraiu um público recorde até agora entre as 16 cidades já visitadas. Mais de 400 pessoas estiveram presentes no evento, uma iniciativa liderada pelo presidente do Partido da República (PR) de Goiás, o deputado federal Sandro Mabel, e pelo vice-governador do Estado, Ademir Menezes, que conta com a participação não só da população local como também lideranças de todos os partidos para, juntos, montarem um plano de governo para os próximos quatro anos.

Um dos primeiros pedidos feitos pelos moradores foi o apoio dos políticos para projetos de incentivo ao empresariado local. “Queremos que as autoridades apoiem os empresários e incentivem as pessoas a investir na sua própria cidade, para nossos jovens não irem embora. Hoje, é isso que está acontecendo”, comentou o empresário Renato Ferreira, 34.

Como tem feito em outros municípios por onde o MCG já passou, Sandro Mabel combinou com o prefeito de Nazário, Fábio Gabriel de Amorin (PR), a realização de um seminário de orientação sobre como fomentar o pólo empresarial local, com a participação do secretário executivo do Programa Produzir da Secretaria da Indústria e Comércio de Goiás, Luís Maronesi.

Esse novo evento atende uma demanda notada em várias cidades. As pessoas têm apresentado muitas dúvidas sobre como tocar uma empresa e quais os benefícios oferecidos pelo poder público. “Todo mundo quer que o filho fique na cidade, mas para isso a cidade precisa estar se desenvolvendo. Vamos fazer esse seminário, para fomentar o desenvolvimento aqui. Às vezes, é difícil trazer uma grande empresa, mas pequenos empreendimentos são mais fáceis de atrair ou mesmo criar aqui”, comentou.

Outros temas abordados durante o debate foram a educação e asfalto. Um homem foi muito aplaudido pelo público ao pedir asfaltamento da GO-156, que liga a cidade até Anicuns. “Isso vai trazer um baita desenvolvimento para a região”, comentou outra pessoa da platéia.

Na área da educação, uma estudante disse que seria bom para a cidade um braço da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Já um rapaz afirmou que se o poder público investisse no ensino profissionalizante seria mais proveitoso para a cidade. Sandro Mabel disse que cabe ao poder público descobrir qual a prioridade do município. “Às vezes é trazer uma universidade, às vezes criar cursos profissionalizantes.”

Em alguns momentos, a platéia fazia pedidos muito pontuais, como subsídios para o transporte escolar e até a entrega de um trator. O presidente do PR de Goiás disse que tudo que for dito na audiência terá um encaminhamento, se a demanda for possível de ser atendida, mas salientou o enfoque das audiências. “Não estamos aqui para fazer promessas, mas descobrir qual a demanda de vocês para montarmos um plano de governo”, explicou.

Sobre o transporte escolar, por exemplo, Sandro Mabel comentou que a faculdade citada pelo estudante que pediu custeamento da prefeitura poderia subsidiar essa despesa. “É tudo uma questão de conversar. O que o poder público puder fazer, vocês tem de cobrar, mas neste caso acho que a faculdade é que devia puxar vocês. São 100 estudantes, não? Então. Ou a faculdade paga uma parte do transporte ou vocês dizem que vão mudar de curso. Se organizem nisso aí.”

O objetivo do MCG é elaborar um projeto amplo, focado na responsabilidade fiscal e social, no crescimento econômico não só do Estado como um todo, mas também de cada cidadão goiano, assim como na melhoria da qualidade de vida das pessoas em geral.


Confira a galeria de fotos de todas as etapas do MCG no Flickr do Cresce Goiás: www.flickr.com/crescegoias.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Deputado Sandro Mabel ajuda a elaborar projeto para reestruturar hospital

Durante a audiência pública do Movimento Cresce Goiás (MCG) em Pirenópolis, a 120 km de Goiânia, os participantes reclamaram muito de problemas na área de saúde na região. Um vereador reclamou que há muito tempo não nasce um “pirenopolino”. “As nossas crianças nascem em Anápolis.” Outros participantes do debate deram outros exemplos das dificuldades enfrentadas principalmente por quem precisa de um médico especialista. “É muito difícil um médico querer vir trabalhar no interior”, lamenta o prefeito Nivaldo Melo (PP).
 
O deputado federal e presidente do PR regional, Sandro Mabel, que coordena o MCG, explicou que é possível encontrar soluções simples para este problema. E ao falar especificamente da área de Saúde em Pirenópolis, Mabel prometeu que vai intermediar a elaboração de um projeto do governo estadual em parceria com o curso de Medicina da UniEvangélica, em Anápolis, para a reestruturação do Hospital Regional de Pirenópolis. Com o projeto em mãos, ele pretende ir até o Ministério da Saúde buscar recursos para viabilizá-lo.

 
“Temos visto nas cidades onde estivemos que existe uma grande demanda por médicos. É uma situação bastante complicada para se resolver no interior, mas não é impossível. O governo federal tem recursos. Precisamos pensar nos projetos”, explicou Mabel.